quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

0

Retrospectiva



Final do ano chegando... época de refletir sobre tudo que aconteceu durante o ano. Foi assim que bateu uma vontade incontrolável de escrever esse post. Muitas coisas que eu não esperava que acontecessem, aconteceram. Nem todas foram boas, mas aconteceram. E é claro que tudo foi um aprendizado.

Percebi que os amigos de verdade, mesmo que a gente não se veja sempre, ou que quilômetros de distância nos separem, ainda serão amigos de verdade e estarão prontos para ouvir quando é preciso desabafar. É bem aquela história de "são como estrelas, não vemos sempre... mas temos certeza que estão lá". São pouquíssimos, mas são os melhores.

Quando se tem um amor, você precisa saber confiar e ser verdadeiro, mostrar exatamente como você é, mas antes disso, precisa entender que a pessoa que você ama é um ser humano como qualquer outro, que erra e acerta. Não existe perfeição. Não podemos exigir que essa pessoa seja cheia de qualidades quando temos nossos próprios defeitos.

Tive mais do que certeza de que o que eu digo é responsabilidade minha, mas o que os outros entendem, é problema deles. O complicado é que quando entendem errado, não vão parar para pensar duas vezes antes de te culpar ou espalhar seu entendimento errado por aí. É tão difícil tentar entender antes de tirar suas próprias conclusões? Pior ainda é com as indiretas ou simples desabafos que sem citar nomes, atingem qualquer um! Mas as pessoas esquecem que não são as únicas que eu conheço.

Descobri que as pessoas que eu acreditava que fossem meus amigos (ok, talvez colegas, no máximo), na verdade não são nada além de pessoas falsas que ainda não entenderam o verdadeiro sentido da amizade. Como eu já disse em outro post, tudo que não me faz bem, não me faz falta. E eu não pretendo tentar salvar nenhuma dessas amizades dispensáveis. Não faço o tipo que guarda rancor. E muito menos o tipo que esquece quem já me fez mal.

Percebi que maturidade aparece com o tempo, não adianta querer que a outra pessoa tenha atitudes maduras quando o momento ainda não chegou. E nem sempre essa maturidade está relacionada com a idade. Pena que alguns confundem maturidade com outras coisas, do tipo, "só eu tenho razão porque eu sou mais maduro e tudo que você diz está errado, você não sabe o que é certo". Não tenho paciência com esse tipo de gente. Só pra constar.

Entendi que apesar de poder contar com a ajuda de alguém, mais cedo ou mais tarde, é necessário se virar sozinho e nesse momento você descobre até a força que não sabia que tinha. E pode apostar, a satisfação de conseguir algo por seu próprio esforço é sempre melhor. Mas isso não significa que em algum momento você não vai precisar de ajuda.

Foram tantas coisas! E mesmo que algumas tenham sido um pouco dolorosas ou demoradas para aprender, não posso negar que contribuiu muito para reformular meu ponto de vista sobre algumas coisas, pessoas, atitudes e sentimentos.

Mas quer saber? O ano de 2011 valeu muito a pena.
Sinceramente, acho que esse ano valeu por 2.

Que venha 2012! E que seja muito melhor, em todos os sentidos.

Comentários: